quarta-feira, 23 de setembro de 2015

Introduzindo alimentos na dieta do bebê - a experiência aqui de casa.

Ok, já sabemos que a OMS indica o aleitamento materno exclusivo até os 6 meses. Ou seja, só peito e mais NADA (nem água, nem suco, nem chá, nem frutinha... SÓ peito). Obviamente que isso só vale para quem fisiologicamente conseguiu dar o peito (muitas mamães tentam e não conseguem por motivos que vão contra a sua vontade) e a criança estiver ganhando peso na curva adequada, correto? Ah, e também para quem tem a oportunidade de estar sempre junto com o bebê até os seis meses, ou consiga tirar e estocar o leite após a licença maternidade.

1) COMEÇANDO PELA FRUTA:

A orientação do meu médico foi começar introduzindo uma frutinha por dia. Depois, com duas, uma pela manhã e outra pela tarde. Uma delas poderia ser suco, nunca mais que 150ml. Fiquei uns 15 dias assim.

Idéia de frutas:
1) mamão - é só raspar a colher bem levinho que o mamão sai praticamente creme;
2) manga - tirar um pedaço e amassar bemmmm com o garfo ou bater;
3) banana amassada com o garfo;
4) FIGO - minha filha ama e é só ir raspando com a colherzinha também;
5) maçã e pera raspadinhas.

Minha bebê tem 8 meses e meu pediatra ainda não liberou morango ou kiwi por conta da possibilidade de alergia.

O que vc não conseguir fazer creme ou purê, como um pêssego ou ameixa, uva ou melancia, coloque na "redinha":


Para o suco, sempre uso melancia ou laranja lima.

Comecei a servir água num copinho de adaptação umas 4 vezes por dia.

2) INDO PARA A PAPINHA:

Inicialmente, a receita começa com os vegetais e temperos, como cebola, alho, salsa e coentro (SAL NUNCA - se colocar, o paladar do seu filho acostuma e não aceita sem). A carne (preferencialmente músculo traseiro) e o frango somente cozinham na mistura, mas não são batidos junto.

Passei a oferecer água com muita freqüência, ainda mais nesse calorão.

Depois de 2 semanas, comecei a bater tudo com a carne ou frango.

Quando completou um mês do início com a papinha, fiz a primeira papinha dela com peixe. E ela AMOU! Dizem para segurar o peixe por poder dar alergia. Mas há médicos que não têm essa restrição.

O médico recomendou ficar 2 meses assim, e acrescentar o grão depois (nesse caso, sempre deixava já cozidos na pressão, potinhos com feijão, feijão branco, lentilha, ervilha e grão de bico, para misturar um tipo cada dia).

Aos poucos, você deixa de bater a papinha em purê e começa a amassar com o garfo. Cada vez a deixando mais consistente e em pedaços.

3) COMEÇANDO NA COMIDA DA CASA:

Além de mãe de uma bebê muito risonha, também sou mãe de um menininho que está com 3 anos agora.

Com 1 ano, meu filho entrou na dieta da casa, que, por aqui, é super leve: carne de panela, peixe ensopado, frango assado. Sequer temos óleo na casa (só gordura de coco e mesmo assim não usamos sempre, além de azeite para ser consumido natural sobre a comida) e o sal é bem reduzido. Também sempre temos uma verdura ou legume (brócolis, espinafre, couve, cenoura, abóbora, abobrinha, repolho, etc.)

Continuo até hoje com uma fruta pela manhã e outra à tarde e acrescentei um lanchinho depois da fruta (torrada, paozinho, bolacha, etc).

PS: O que contei aqui foi a MINHA experiência. É SEMPRE importante consultar o SEU pediatra. Cada criança tem um desenvolvimento diferente e recomendações tb! ;P

Falando nisso, alguém gostaria de compartilhar sua experiência com a alimentação do bebê?

segunda-feira, 21 de setembro de 2015

Os biquinis que vão fazer sucesso no verão 2015/2016 - Moda.

Queridos, quem leu meu último post aqui, viu que acabei de voltar da Bahia, né?!?!

E lá vi as tendências de biquinis para o verão que se aproxima. Algumas continuam do verão passado e outras estão ficando mais fortes agora. Bora conferir?

1) Biquini de crochê com elásticos Kiini (conhecido aqui por biquini angel, já que a mocinha de Verdades Secretas o usou e virou febre):

O biquini originário da tendência é o KIINI, que inclusive vende no site aqui (USD 285 a parte de cima - 165 - com a de baixo 120). A foto é da parte de swinwear do site da marca:



Eu, por ter decidido em cima da hora comprar um, não podia esperar o tempo da entrega internacional e decidi comprar um artesal inspired. E estava encantada pelo preto com dourado. Acabei achando um no site Elo7 (que reúne várias artesãs com produtos diferentes) e perguntei à profissional se entregavam em 5 dias. Pois a querida Liana, da loja Viva Rio Acima (@vivarioacima) fez um em tempo recorde e em 5 dias estava aqui o biquini. Recebi antes do prazo, todo lindo e embaladinho, e vestiu feito uma luva! Ficou demais!


Sorry pela foto, mas foi a única que consegui tirar correndo entre a piscina e a baby copa no Tivoli...rs

Queria um do colorido também, e li sobre a @soul_zen. Fiquei na dúvida sobre o tamanho e acabei escolhendo o P. Só que como ele tem a lycra do peito e da parte de baixo menores, ficou um pouco pequeno (apesar das faixas tem ficado largas na cintura e no tórax - mas que são fáceis de apertar - basta ver os pontos de junção dos elásticos, cortar e costurar novamente).





2) Biquini de neoprene tomara que caia:

O original é australiano da marca Triangl Swinwear e sai cerca de USD 90-100, fora entrega e eventuais tributos de aduana. As fotos abaixo são do lookbook da marca:


A novidade agora é o de neoprene COM crochê: será que vai pegar? Eu achei linnnndo!



3) Biquini de crochê: O crochê está voltando com tudooo, e não só no Brasil. Em Nova Iorque, na semana da moda (NYFW) chegou nada timidamente em coleções como a Tommy Hilfiger:

Foto do site Círculo aqui.

Pois bem, esse abaixo foi o que eu comprei:



4) Biquini babado com calcinha com costura central atrás ("levanta bumbum"): e


Como vcs viram, eu acabei comprando um mix do 3 e 4: a parte de baixo é de lycra com babadinhos e a de cima de croche. Comprei na Lenny Niemeyer, com a saída kimono combinando. Ficou lindo!!!

5) Biquini com transparências:

Principalmente no bojo, mas pode vir na lateral:

Foto site Doux.

Fico babando nos Doux. Mas não achei loja física em SP que os venda para experimentar e como estava em cima da viagem, mandei e-mail perguntando se havia como a entrega ser em prazo menor que o do site e eles sequer responderam. Acho que só se fosse artista eles teriam respondido. Brincadeira...rs

Onde encontrar esses biquinis, além dos sites e perfis que já indiquei:

- Estilo angel e babados com levanta bumbum:

A Galeria do Bikini anunciou no seu insta @galeriadobikini que também terá os modelos de crochê "angel", além de já ter o babadinho com levanta bumbum (modelo miami beach)!


Fotos do site e insta da Galeria do Bikini aqui.

Minha personal @patypatao mostrou um outro perfil que vende quase todos esses da moda, num valor mais baixo, que cito aqui: @lumabeach no site aqui:


E aí, gostaram?



quinta-feira, 10 de setembro de 2015

Tivoli Ecoresort - Praia do Forte - Bahia.

Acabei de voltar do feriado de 7 de setembro, que passei na Praia do Forte, no hotel Tivoli Ecoresort.

Começando pelo básico: gostei? Sim! Adorei! Mas aí que está a parte decepcionante: até gostei do hotel e tudo, mas o que fez a viagem deliciosa não foi o serviço (precário), o quarto pequeno e sem luxo ou as simplórias piscinas (pra quem se auto-intitula "resort", esperava mais). O que fez toda a diferença foi a companhia dos amigos, ver meu filho se divertindo com eles e a praia com sol e sem chuva.


Acho que fui esperando demais do hotel, várias críticas positivas como "o melhor resort do Brasil" e etc. Aliás, se este for o melhor do Brasil, putz grila, que medo de conhecer os outros!

Não dá para tirar o crédito 100% do hotel. Uma coisa incrível e que não merece passar batida é a excelente estrutura de praia: há uma infinidade de quiosques num gramado sob um coqueiral à beira-mar. De baixo de cada um deles, um círculo de areia, no qual as crianças brincam de castelo sem ter que descer na praia e ficam em segurança.





Só que o serviço da piscina, deus que o livre, era quase inexistente. Quase tínhamos que pedir pelo amor de deus por bebidas ou petiscos. E havia ainda uma cara amarrada bem diferente da baiana que nos veio com um sorriso e uma água de coco na recepção ao fazermos o check in.

A água de côco trazida pela baiana no check in.

Bom, o resort funciona assim: café da manhã incluso e jantar buffet também, tudo no restaurante Goa (um quioscão gigante, de telhado de sapê, com vista para o mar). O café da manhã é excelente e não varia (e nem teria como, já que tem de tudo todos os dias - desde ovos a tapiocas feitos na hora - DICA - tentem o pudim de tapioca, uma delícia). Já o jantar varia um pouco mais, mas nem tanto. As sobremesas também não mudam muito, mas são deliciosas - o Negão Praia do Forte vale a garfada pra quem ama chocolate como eu e os sorvetes variam de sabor e são sempre cremosos (tem de côco queimado, brigadeiro, manga, açaí...).

Visitantes no café da manhã.

Tapioca delícia de queijo coalho.

Outro visitante roubando um pão de queijo.

Durante o dia, nada está incluso: bebidas (alcóolicas ou não), porções ou almoço.

Nós, como estávamos com crianças pequenas na faixa dos 3 anos e uma dupla com menos de 1, achamos a logística de ficar saindo do hotel meio complicada. Fora que as crianças queriam praia e piscina. Então, por lá ficamos (ok, matem-me por ter deixado o Projeto Tamar pro último dia e ter chegado na hora de fechar...rs). As piscinas, pra bem dizer, eram bem mais ou menos, mas satisfaziam as crianças.





Assim, fizemos todas as refeições no hotel. O meu maior só queria espaguete e batata frita. E assim foi, até que, durante o feriado mesmo, como o hotel fica mais cheio, o clubinho abriu um buffet para almoço e jantar dos pequenos (devidamente pago, devo sublinhar). Se for fora de feriado/temporada, esse almoço infantil não existe.

Para os adultos, tem o restaurante Tabaréu e o À Sombra do Coqueiral (não fui). O Tabaréu é ok, mas ninguém ficou encantado com o prato (muito bem servido, aliás). O duro foi o japonês... R$ 180 um combinadinho simples quase que só de salmão para duas pessoas e que estava bem ruinzinho. Mesmo.

Para crianças até 3 anos, eles disponibilizam um menu infantil, que os pais marcam e retiram no outro dia na tal da Baby Copa (tinha fórmulas e frutas, além de microondas e geladeira... Mas era extremamente antiga, um pouco má conservada e quente pra burro). Para bebês, há a opção de papinha de frango, carne ou legumes. Para bebês, ok, mas a comida dos maiorzinhos, que no meu caso está acostumado a comer a comida da casa mesmo, temperada e tudo, estava era ruim demais e eles não aprovaram. Aliás, ter um cartão pra abrir a tal Baby Copa era duro... Esquecia no quarto, tinha que segurar o bebê com uma mão pra procurar o cartão, um caos...

Verdade seja dita, o berço estava lá, a banheirinha para banho também (em que pese ter vindo sem o tampão e eu ter que ter entupido o buraco com sabonete) e o que achei o melhor de tudo, foi ter carrinho do hotel (já que, pra quem vai de avião, ter uma tralha a menos pra carregar no aeroporto ajuda, viu - eu costumo levar o canguru no aeroporto, pra carregar a menor, uma mochila minha como mala de mão e ficar com as mãos livres para dar ao menor e levar outra mala, se necessário). O carrinho, a não ser que seja para vôo noturno internacional, mais atrapalha do que ajuda.

Dois outros pontos bem legais são o clubinho (chamado de Careta-Careta), que tem uma piscininha com escorrega, uma brinquedoteca, o restaurante e o parquinho. Quando é feriado ou temporada tem atividades; e o serviço de babysitter indicado pelo hotel por cerca de R$16 a hora.

Ruim foi a simpatia - liguei no 10 (recepção) e pedi a gentileza de dar uma volta nos carrinhos de golfe, já que meu filho estava alucinado quando eles passavam, eventualmente levando hóspedes. Qual não foi a minha surpresa com a grosseria da atendente que disse: se a senhora estivesse no bloco nove, podia. Como está no três e é próximo, não pode...

O centrinho é a 700m do hotel. É possível ir de Tuk Tuk e meu filho adorou. Tudo lá é bem praiano, e os restaurantes parecem interessantes, mas nós não fomos.

Centrinho.

O passeio de buggy foi meio micado, custa R$ 270 pelo hotel, e para crianças com menos de 5 anos não recomendo - chacoalha muito, tem que ir atrás segurando no santo antônio. E leva a uma lagoa mequetrefe com gente meio diferente.

Sobre o quarto, bem... Tivemos um up grade na chegada e já fiquei com o pé atrás quando vi o banheiro: não havia porta... E eu detesto ir ao banheiro só com a cabine. Fico meio constrangida. Alguém mais?



Vista do quarto térreo com varanda: ponto positivo.

A internet é paga e muito ruim. Não conseguimos conectar direito, apesar de termos pago. Solicitei o cancelamente do pagamento no check out...

E, como sempre: se eu voltaria? SIM, mas já sabendo dos pontos negativos do hotel, indo almoçar mais no centrinho, sem ter ido esperando encontrar "O" melhor resort, mas sim um resort mediano, com serviço ruim, mas com boa infra de praia e para crianças.