terça-feira, 28 de julho de 2015

Experiência no L'AND and Vineyards - Évora - Alentejo - Portugal.

Estava alucinada para conhecer este hotel no Alentejo. Quem lembra do meu post aqui? Que até recomendei ele como destino de hospedagem para a região de Évora. Tudo começou quando estava em Portugal assistindo a um programa de televisão no canal História sobre ceias de natal e vi o chef Miguel Laffan. Amei as receitas e fiquei com vontade de experimentar.

Pelas pesquisas de internet, descobri que ele era estrelado Michelin e que seu restaurante ficava no L'AND and Vineyards. Quando li sobre o local, notei que os arquitetos da minha futura casa lá fizeram a decoração, que é é típica do Kogan (que eu adoro) e acabou sendo interessante ter uma idéia de como é morar num ambiente dele.  Já a arquitetura do prédio é bem diferente, de um arquiteto português que usa muita parede branca e formas geométricas.







Pois bem. Estava toda empolgada com o hotel, e com a proposta de estar em uma vinícola do Alentejo, poder fazer provas de vinho produzido no local, etc. Liguei e fiz uma reserva de três dias, quando me foi oferecido um quarto com duas suítes integradas por uma salinha de estar, que seria apropriado para famílias. Adorei o conceito e topei - ainda havia, sem ter dois quartos, suítes isoladas com sky view (vidro no teto) para assistir a noite estrelado do Alentejo.

O HOTEL: Recebi um e-mail com vários anexos, dentre eles um contando sobre as experiências do hotel - passeio guiado a Montemor-O-Novo, passeio de balão (adorei a idéia, mas meu marido tem medo de altura) e degustação de vinhos. Além disso, quase uma cartilha em letrinhas que eu confesso, não li (vi a data de check-in e out e confirmei valores).

O hotel fica a 4 horas do Porto, e devido ao horário de check-in, permite uma parada em Lisboa para almoçar. Chegamos ao prédio principal e fomos super bem atendidos e levados à nossa suíte - os quartos ficam em prédios isolados do prédio principal, onde fica o spa e restaurante. No spa fica a piscina interna, ao lado, fica a externa, e uma quadra de tênis. E, além das bikes meio velinhas paradas no estacionamento que qualquer hóspede pode pegar para passear, NADA mais há para se fazer.

No quarto, os berços estavam lá, bonitinhos com manta e tudo. Havia uma lareira no hall de entrada, que eles se propõem a acender de noite, deixando o ambiente super aconchegante.







Em alguns quartos, as parreiras chegavam mesmo na porta de entrada. No caminho até os quartos - de terra batida e areia - havia lagartos e sapinhos.


Só que começaram os pontos ruins e que não foram poucos... Ao chegarmos à tarde, a piscina estava cheia, e em TODAS as espreguiçadeiras haviam toalhas usadas e nenhum funcionário para suporte de pedido de bebidas ou toalhas. No primeiro dia, a limpeza do quarto só foi feita bem à tarde. Mesmo assim, a limpeza pecava bastante de baixo das camas (vejam a foto abaixo). O material de revestimento do banheiro estava todo remendado e descolando... ECAAA. Não havia condicionador no kit higiene do banheiro...



Uma gracinha a idéia de terra batida: mas nenhuma hóspede em sã consciência pode sair de salto: não há como chegar ao prédio principal ou ao seu carro sem pisar nela ou em pedras. A solução foi usar de dia e de noite uma anabela de palha que levei pra passear... Carrinho de bebê idem (horrível para empurrar!!!) E se chove então? CRUZES!



Spa ao lado da piscina? Que legal você pensaria. Mas calma, não tanto assim. Não se pode fazer barulho e crianças só até as 15:00 (considerando que no verão a temperatura beira os quarenta graus até as 21:00 com o sol a pino, o seu filho só poderia olhar você na piscina de dentro e ficaria na de fora).


PS: Olhem só o "gigantesco aviso" abaixo do relógio...

ERRADO: Na hora de deixar o hotel, eu não havia visto que uma placa um pouco distante da piscina  exterior e que mais parecia daquelas de informações turísticas informava que estavam proibidas crianças com menos de 12 anos.



Primeiro que esse tipo de informação tem que estar em letras garrafais na entrada das piscinas. Segundo, devem estar da mesma forma no tal e-mail de informações. Ainda mais considerando que, além da piscina, as bikes são só para adultos e nada mais há para crianças fazerem...

Então, se seus filhos são menores do que 12 anos, não recomendaria este hotel para o verão, a não ser que vc não ligue por ser convidada a se retirar de ambientes, como eu fui. E se você não é fã de galochas, não recomendaria para o inverno chuvoso do clima temperado. O valor de quase 400 euros a diária não é nada condizente com o hotel e seus serviços.

A única coisa que diminui um pouco a angústia é que o café da manhã é bem servido e gostoso.




NOTA QUE EU DOU PARA A MINHA EXPERIÊNCIA (0-10): 4 (pela lareira e pelo café da manhã).

O RESTAURANTE: Bom, aí eu não tenho um ai sequer para reclamar. Aliás, tenho apenas elogios. Jantei por duas noites lá. Na primeira noite, optamos pelo menu degustação do chef - SENSACIONAL. DELIRANTE. DEMAIS! De todos os restaurantes que conheço em Portugal, foi disparado o com serviço mais refinado e comida mais saborosa (mesmo que os hóspedes cheguem para comer às vezes de camiseta pólo). Só o vinho que escolhi é que estava bem ruinzinho (fomos testar um da vinícola do próprio hotel).







Na segunda ocasião, escolhemos a la carte. Escolhi um robalo com alho poró que deus que me livre e guarde, mas estava divino. Assado com cebolas e alcaparras, foi uma experiência indescritível. E a sobremesa de chocolate com laranja asiática estava deslumbrante. Já meu marido escolheu um prato de porco da região que estava fofo demais, cheio de mini legumes lindos. E ele amou o sabor.





Saí de lá achando que a uma estrela Michelin do chef Miguel Lafan foi é pouca. Para o MEU paladar, seria um 3 estrelas fácil. E olha que eu sou chata com comida.

Os garçons são demais, o serviço é impecável. O ambiente é super diferente com os lustres pendurados nas cores trilogia Cartier. O preço é bem razoável (90 euros por pessoa o menu degustação).

NOTA QUE EU DOU PARA A MINHA EXPERIÊNCIA (0-10): 11.

Bom... Então, para vocês terem só uma idéia do quanto amei o restaurante: se fosse condição estar hospedado para ir ao restaurante, com certeza me hospedaria novamente no Hotel, apesar de não ter gostado de lá. Graças a deus não há essa condição. Na próxima, vou ficar na Pousada dos Loios em Évora e ir só jantar no restaurante L'AND.






domingo, 19 de julho de 2015

TOP 3 carrinhos lightweight (os mais leves carrinhos para passeio e viagens).

Gente, dos 3 que vou indicar, tenho 2. E confesso que, por enquanto, estou alucinada com o Mini. Não podia ter feito compra melhor.

1) Mini Easywalker:

Estou em Portugal no momento e só trouxe um carrinho. Minha bebê está com 6 meses e meu filho com 3 anos e meio. Acabou que achei o Maclaren um pouco desconfortável para a bebê tão pequena que não senta e meu filho estava com ciúmes do carrinho dele, fora que às vezes queria dormir ao mesmo tempo que a bebê.

Pesa cerca de 6,5kg e é da Mini fábrica de carros do Mini Cooper.





1) Estremamente confortável e macio (super bem estofado);
2) Acabamento lindo, como a manopla em couro, em cores diferentes;
3) Fácil abrir e fechar, virando um guarda-chuva;
4) Visor na parte de trás da capota que permite a quem está empurrando ver o bebê mesmo com ela fechada;
5) Excepcional reclinação total (deita todinhoooo, 180graus, flat bed);
6) Excelente custo benefício - paguei 230 e poucos euros, fora tax free.

Ponto ruim: não achei para vender nos EUA e nem via Amazon. Fica a dica então para quem está vindo pra Europa.

Comprei o verdinho água (não tem rosa, o que é ótimo para quem tem casal). Fiquei com medo de sujar muito. Bom, ele até suja, mas por enquanto já consegui tirar o amarelo cocô de bebê que melecou todo o assento e fui pra um lugar de terra, que sujou bastante e também saiu facinho... Ufa.

2) Bom e velho Maclaren Triumph: Quando fiz minha primeira viagem internacional com meu filho, destino NYC (veja o post aqui), resolvi não levar o carrinho oficial, que é bem pesado. Pesquisei muito e comprei o carrinho mais leve que encontrei, mas que reclinasse (se for pesquisar, são chamados de lightweight strollers tipo umbrella, pois fecham como guarda-chuvas). A escolha foi um Maclaren Triumph, com 5,4 kg, comprado via Amazon por USD 200 dias antes da viagem, e que estava me esperando no hotel quando cheguei. Está em perfeitas condições ainda, depois de 3 anos, e olha que esse carrinho viajou muitoooo jogado em aviões.


3) YOYO Babyzen: Esse era o meu desejo, mas não encontrei (é difícil de achar, principalmente na Europa). E não existia quando comprei o 2 acima. O Yoyo... Gente, ele cabe no compartimento de bagagem de mão de avião e abre e fecha que é uma beleza (vejam o site oficial aqui, no qual há o vídeo demonstrativo). Agora lançaram o 0+, para que o bebê possa usá-lo desde o nascimento. Cerca de USD 800 com o "moisés". Pesa só 7,5 kg. SHOW!


PS: Já havia falado do Mclaren e do Yoyo aqui, quando listei os melhores carrinhos de bebê em geral.

PS2: Alguém tem o Yoyo e realmente ele fecha fácil assim, como no vídeo? E ela funciona bem e é de qualidade?